MENU

06/11/2023 às 10h24min - Atualizada em 06/11/2023 às 10h24min

VÍDEO: veja os detalhes da prisão de Taillon Barbosa, chefe da milícia de Rio das Pedras

G1

Uma operação da Polícia Federal e do Ministério Público do Rio de Janeiro colocou na cadeia os chefes da milícia de Rio das Pedras, uma das mais antigas da cidade: Dalmir Barbosa e o filho TaillonVeja os detalhes da prisão no vídeo acima.

Taillon e a família têm vários bens. Além de uma lancha e casa em Angra dos Reis, casas e apartamentos de luxo no Rio de Janeiro.

Ao todo, foram 13 mandados de prisão. Taillon e o pai foram presos na terça-feira (31). Dois policiais militares e um ex-sargento do Exército, que trabalhavam como seguranças de Taillon, também foram presos em flagrante. Além deles, outras 5 pessoas também foram presas.


No início de outubro, era Taillon o alvo procurado por traficantes na orla da Barra da Tijuca. O ataque terminou com três médicos mortos. As investigações apontaram que um dos médicos, Perseu Ribeiro Almeida, foi confundido com Taillon e, por isso, assassinado.
 

A criação da milícia


A milícia de Rio das Pedras foi criada ainda nos anos 1980. Em 1983, cerca de 20 mil pessoas viviam na comunidade. Hoje, o local virou bairro e agora, cerca de 200 mil pessoas moram lá.

O nome de Dalmir, pai de Taillon, ganhou destaque nacional em 2008 na CPI das Milícias como um dos chefes de Rio das Pedras. Em 2011, ele foi expulso da PM por violar a ética e o dever policial. Em 2020, ele foi preso numa operação contra as milícias e passou cumprir pena em prisão domiciliar.,

Já Taillon foi preso, anteriormente, em dezembro de 2020 numa outra operação contra a milícia. Foi condenado a 8 anos e 4 meses por participação na organização criminosa. Ficou preso até março deste ano, depois passou para prisão domiciliar. E em setembro começou a cumprir a pena em liberdade

A milícia, que no início dizia combater a violência, nunca foi tão parecida com o tráfico. O terror impera e os moradores são reféns.


“A milícia de Rio das Pedras, ela nos últimos anos passou por reformulações na composição dos seus integrantes. Antes se via uma milícia que era integrada com agentes do estado ou ex-agentes do estado e hoje em dia a gente vê a milícia integrada por integrantes de facções criminosas vinculados ao tráfico de drogas”, diz Letícia Emili, subcoordenadora do Gaeco.

“Hoje a gente pode falar com muita clareza de narcomilícias. Ela hoje já está num segundo momento, em que a gente já tem dados investigativos concretos da sinergia com uma facção criminosa ligada ao narcotráfico. Então hoje, praticamente para a gente é uma coisa só”, completa Leandro Almada, superintendente da 
Polícia Federal no Rio.



https://globoplay.globo.com/v/12088988/


Link
Notícias Relacionadas »
Comentários »
Comentar

*Ao utilizar o sistema de comentários você está de acordo com a POLÍTICA DE PRIVACIDADE do site https://rascunhox.com.br/.
Fale pelo Whatsapp
Atendimento
Precisa de ajuda? fale conosco pelo Whatsapp